terça-feira, janeiro 09, 2007

América do Sul 13

O que escrevo nos Diários Gráficos nem sempre tem a ver com as imagens que estão próximo. Por vezes até é o contrário. Escrevo o que não consegui desenhar. Na página abaixo relato o que fiz naquela manhã: Fui à Rodoviária comprar o bilhete para Curitiba. Atravessei a cidade inteira (zona sul) de ônibus. À vinda desci na igreja da Candelária e almocei por ali. Maruca à Baía.


Rio de Janeiro. Março 2004

4 comentários:

Anónimo disse...

Aprecio muitos desenhos! Vejo aqui corpos, arquitectura animais mas nao vejo....... rostos? Mas tabem nao tem que existir!!

Faço diarios graficos desde muito cedo, foi sempre uma "obrigaçao dentro de uma necessidade.. organica" Os melhores foram feitos "em movimento"..comboio principalmente, mas desde que tirei a carta de conduçao o numero reduzio drasticamente!!

Boa ideia esta do "diario grafico" em blog e site! Parabens!!

Anónimo disse...

São estes olhares expressos em desenhos e palavras que dão volume a um diário gráfico e que, para mim, são as memórias do que realmente é o espírito do viajante.

sergio azevedo disse...

o gesto rápido perde sua "instantaneidade" pelo tempo implícito no traço do artista...diferente do registro da máquina.

Galeota disse...

O amarelo e o vermelho do cartaz do rapaz recorda-me outros cartazes ...