sábado, setembro 30, 2006

Caril Vegetariano

Desenhar os outros convivas quando se está a jantar é sempre uma tarefa ingrata. Só com o nome ao lado se conseguem identificar as pessoas. O Ivo fez um óptimo caril vegetariano. Depois mostrou-nos os desenhos que anda a fazer, que são surpreendentemente diferentes e iguais, ou seja fabulosos.

Setembro 2006

sexta-feira, setembro 29, 2006

Praças 6

Esta Praça, que pela sua reduzida dimensão pode ser considerada mais propriamente de Largo ou até um mero cruzamento de ruas, tem uma importância vital na vida social desta cidade por possuir a sua maior igreja. Para representar devidamente este espaço fiz dois registos de pontos de observação opostos.




Largo da Igreja. Vila da Ribeira Grande, Povoação. Ilha de Santo Antão. Cabo-Verde. Abril 2006

quinta-feira, setembro 28, 2006

Praças 5


Largo da Igreja de Nª. Srª. do Rosário. Vila de Ribeira Brava. Ilha de S.Nicolau. Cabo-Verde. Abril 2006

quarta-feira, setembro 27, 2006

Desenho 1

Também podem desenhar-se uns aos outros. Com posições de, mais ou menos, 15 minutos. Se possível numa folha de dimensões grandes (A2). Isto passa-se na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, mas podia passar-se em qualquer outra escola.


Setembro 2006

terça-feira, setembro 26, 2006

Desenho

Na falta de melhor desenham-se as próprias mãos. Neste caso foi a pincel com tinta-da-china para a "mão se soltar" e não se preocuparem com pormenores.


Setembro 2006

segunda-feira, setembro 25, 2006

Turismo Cultural 2


"El Paraíso" segundo Tintoretto. Museu Thyssen. Madrid. Jul2006

domingo, setembro 24, 2006

Lisboa 2

"Apercebeste-te que tanto em viagem como em Lisboa é igual. Em Lisboa, quando tens o Diário Gráfico, vês a cidade com olhos de estrangeiro, quando não o tens, bebes um café como habitante da cidade. Se o tiveres, desenhas o prédio, a pessoa que está em frente, ou outro tipo de desenho sem ser de observação, mas esse momento é como ser estrangeiro na tua própria cidade". Ivo Moreira. Portugal. Pintor




Elevador da Glória. Lisboa. Novembro 2005

sábado, setembro 23, 2006

Lisboa 1

A ligação com o site da Antónia Santolaya, posto ali em baixo, não está a funcionar. Aqui vai ele

Alguns autores de Diários de Viagem têm-me dito que sentem dificuldade em desenharem a cidade onde vivem e da qual estão mais próximos. Eu próprio também sinto essa dificuldade.


Praça da Figueira. Lisboa. Vista do atelier da Ema. Novembro 2005

sexta-feira, setembro 22, 2006

Lisboa

Fui (re)ver o filme do Almodôvar. Já o tinha visto em Barcelona


Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian. Setembro 2006

quinta-feira, setembro 21, 2006

Praças 4

Duas tentativas para desenhar a mesma praça.




Plaza Real. Barcelona. Agosto 2006

quarta-feira, setembro 20, 2006

Praças 3


Córdova. Praça La Corredera. Novembro 2000

terça-feira, setembro 19, 2006

Diários de Viagem 1

"Desenhar é aprender a olhar e a realização destes cadernos é a desculpa para o continuo processo da aprendizagem". Antónia Santolaya


Antónia Santolaya. Espanha. Ilustradora

segunda-feira, setembro 18, 2006

Cacela Velha


É muito difícil desenhar ostras, especialmente quando se gosta delas

sexta-feira, setembro 15, 2006

Desenho científico

"...isto serve para me divertir, e para manter de alguma forma a cabeça e a mão educada" Pedro Salgado


Pedro Salgado. Desenhador científico. Viagem a Amazónia

quinta-feira, setembro 14, 2006

Diários de Viagem


Enquanto bebíamos umas cervejas íamos vendo os fabulosos Diários de Viagem do Enrique

quarta-feira, setembro 13, 2006

Gárgulas

Os românticos não queriam nada com o fabrico em série. Pequena amostra de gárgulas que desenhei enquanto estive no claustro.




Gárgulas. Claustro do Palácio da Pena. Sintra

terça-feira, setembro 12, 2006

segunda-feira, setembro 11, 2006

Tritão

Quando o espaço é demasiado vasto é preferível escolhermos um pormenor. Foi o que fiz esta manhã quando abordei o Palácio da Pena.


Tritão. Palácio da Pena

Praças 2

Em qualquer desenho, especialmente num suporte reduzido e limitado como é o caderno, é decisivo por onde começamos e qual a escala do nosso primeiro traço. Isso vai definir toda a representação. Numa praça, por exemplo, se começamos por cima arriscamo-nos a que não apareça a praça propriamente dita. Foi o que me aconteceu na imagem de cima.



Plaza de La Virgen. Valencia. A lua de Valencia é perturbadora

sábado, setembro 09, 2006

Turismo cultural 1


Juan Muñoz. Praia de Barcelona


Juan Muñoz. Centro de Arte Rainha Sofia. Madrid

sexta-feira, setembro 08, 2006

Miquel Barceló

"Se todos os homens fossem levados a desenhar as suas mulheres, poderiamos continuar a ter alguns divórcios, mas aquele marido que começaria a olhar mais intensamente a sua mulher saberia muito mais sobre ela. Poderia fazer um péssimo desenho, mas não seria isso o importante". Henry Moore. E vice-versa, digo eu.


Miquel Barceló (1957). Espanha. Pintor

quinta-feira, setembro 07, 2006

Henry Moore

"Quando se encoraja as pessoas a desenhar não é para as tornar artistas, tal como não se ensina gramática para os transformar a todos em Shakespeares". Henry Moore


Henry Moore (1898-1986). Inglaterra. Escultor

quarta-feira, setembro 06, 2006

terça-feira, setembro 05, 2006

segunda-feira, setembro 04, 2006

Praças 1


Praça del Raspall. Bairro de Gràcia. Barcelona

domingo, setembro 03, 2006

Praças

Como nos pergunta o arquitecto Siza Vieira "Haverá melhor prazer do que sentar numa esplanada, em Roma, ao fim da tarde (...)? De súbito o lápis ou a bic começam a fixar imagens (...)". Eu acrescentaria, sentar numa esplanada ... numa praça. Gosto muito de observar e desenhar estes espaços. Mas não são fáceis de representar, sabendo, ainda por cima, que há quem as faça assim. Ultimamente tenho feito algumas tentativas:


Plaza del Rey com escultura de Chillida. Bairro Gótico. Barcelona

sábado, setembro 02, 2006

sexta-feira, setembro 01, 2006