sexta-feira, maio 27, 2016

Uma pensão que não é um hostal

Publicado na Revista Sábado em 28 de abril de 2016 o guia sobre Madrid. Na mesma página as músicas que Zé Pedro se recorda quando evoca esta cidade. Podem ver aqui a dupla página.

UMA PENSÃO QUE NÃO É UM HOSTAL 
A Pensão Chelo é minha conhecida já há muito tempo. Gosto de ficar nos quartos que dão para a frente, para a Calle Hortaleza, apesar do burburinho de gente que se ouve a todas as horas do dia e da noite. Os quartos têm uma pequena varanda onde podemos observar enquanto fumamos um cigarro. Foi aí que fiz este desenho. A Pensão Chelo é velha, os seus donos caminham para velhos, os quartos precisam de coisas novas, não servem desayuno (pequeno-almoço), o sítio é barulhento, o conforto é escasso e é num terceiro andar (por acaso já tem elevador). E eu regresso sempre. E gosto de descer, subir a rua, virar à esquerda e entrar numa pequena livraria, onde se tem que bater para a dona nos abrir a porta. E onde estão sempre livros à minha espera.



Caderno Laloran de capa azul escura com lombada de pano. 10,5 x 15,5 cm
Caneta preta e aguarela

1 comentário:

teresa ruivo disse...

Há coisas que nunca mudam e contentamo-nos com isso. Até podiam mudar para melhor, mas já não era a mesma coisa!Belo post!