quinta-feira, maio 12, 2016

Aquela esquina no Soho

Tem saído um guia com a revista Sábado, cada número sobre uma cidade diferente. A minha contribuição nesses guias foi um desenho feito nessa cidade, um desenho que já tivesse feito numa viagem anterior, e um pequeno texto sobre a memória desse momento. 
No dia 14 de Abril saiu sobre Londres. Na mesma página as músicas que Rui Reininho se recorda quando evoca esta cidade. Podem ver aqui a dupla página. 

AQUELA ESQUINA NO SOHO 
Já não sei porquê, mas sei que estávamos com pressa. Ela até continuou a andar, devagar, para me dar tempo. Mas eu tinha que fazer aquele desenho. Uma esquina do Soho, um prédio em tijolo com um pub em baixo. Londres era aquilo, e os Clash (só não os consegui ver em Cascais porque os bilhetes estavam esgotados). O desenho foi tão rápido que nem aparecem pessoas. E o Pub, esse, nem sei o nome. Sei que estava lá, que me apeteceu entrar, sentar-me ao balcão, dar dois dedos de conversa com o barman. Enfim, fazer o que os londrinos do Soho fazem ao fim da tarde. O desenho tem destas coisas. Enquanto o fazemos imaginamos coisas e depois, passados uns anos, misturamos tudo: o que aconteceu e o que nós gostávamos que tivesse acontecido.

Caderno formato A6 de capa dura preta marca Winsor&Newton
Caneta preta e aguarela

4 comentários:

Marilisa Mesquita disse...

gostei especialmente da última frase, isto de criarmos uma espécie de memória paralela... :)

ruth rosengarten disse...

Eduardo--- queria-te enviar um mail, mas não tenho o teu endereço... podias me enviar mail por favor... queria-te agradeçer! bj

teresa ruivo disse...

Há alguma coisa de policial americano neste post! Não sei se é do óptimo desenho, se é do enigmático "Ela até continuou a andar, devagar..." :)

Eduardo Salavisa disse...

Obrigado Marilisa e Teresa. Ruth, já te escrevi um mail.