terça-feira, Janeiro 31, 2012

Bom Jesus em Braga

Ainda uns desenhos que fiz para o livro "O Diário Gráfico em Braga" da colecção "Braga Cidade Bimilenar" da Fundação Bracara Augusta.
Subida de elevador
Vista da Igreja do Bom Jesus
Vista da escadaria do Bom Jesus e da sua estatuária

sexta-feira, Janeiro 27, 2012

Largo de S.Carlos

Sempre que desenho este largo gosto de lá colocar um eléctrico a passar na rua de cima. Claro que tenho de esperar, pelo menos, que passem dois. Especialmente para verificar a escala.

Hoje, no jornal de Negócios, uma entrevista da jornalista Susana Moreira Marques, com fotografia e tudo. Podem ver aqui uma pequena parte.

Amanhã, dia 28, sábado, pelas 18h30 estaremos na FNAC do CascaisShopping a falar do livro "Urban Sketchers em Lisboa. Desenhando a cidade". Passaremos também um resumo do maravilhoso filme realizado por Patrícia Pedrosa sobre o Simpósio que deu origem ao livro.

quinta-feira, Janeiro 26, 2012

Cais do Sodré

Duas tentativas de representar a rua Nova do Carvalho.

segunda-feira, Janeiro 23, 2012

Martim Moniz

Mais um dos desenhos que enviei para ilustrar a reportagem sobre o livro "Lisboa à Mesa". Saiu no Fugas  e já podem ver aqui.

domingo, Janeiro 22, 2012

Tv. da Peixeira

Subi a rua do Vale, fui à mercearia ver se ainda lá estava o desenho do Roque Gameiro, que está, virei à esquerda na rua Pedro Dias, onde vivi, e parei na travessa da Peixeira para desenhar. Ofereci-o ao Richard pelos seus 39 anos.

quinta-feira, Janeiro 19, 2012

Rua do Vale

Já morei numa transversal desta rua. Há lá uma mercearia, que é a única e é do senhor Fernando e da senhora Lourdes, onde existe um desenho (cópia) do Roque Gameiro com exactamente este ponto de vista. Não sei se ainda lá está mas vou confirmar.

Rua do Vale com a igreja de Jesus ao fundo

quarta-feira, Janeiro 18, 2012

Literatura de Viagens

Finalmente Lisboa tem uma livraria dedicada às viagens tal como outras cidades por esse mundo fora. É ao fundo da rua de S.Bento, onde a rua parece que já não tem esse nome. Chama-se Palavra de Viajante. Ainda tem muitas lacunas. Não encontrei, por exemplo, os “nossos” livros. Mas comprei um livro fantástico de jornalismo visual de Joe Sacco.

É na parte da rua de S.Bento onde passam eléctricos

terça-feira, Janeiro 17, 2012

Pastelaria Camões

Entrei na pastelaria Camões, sentei-me a tomar uma bica e observar os clientes do balcão.

segunda-feira, Janeiro 16, 2012

Rossio

O Rossio visto a partir da esplanada do teatro D.Maria e em baixo da esplanada do café Nicola.


sexta-feira, Janeiro 13, 2012

Calçada do Combro

Fiz este desenho depois de almoçar no "Zebras", pequeno restaurante à esquerda de quem desce. Gosto desta rua íngreme. Além de alguns restaurantes, podemos encontrar umas livrarias muito particulares ao fundo e lojas variadas, desde comércio tradicional até novos estilistas.

quinta-feira, Janeiro 12, 2012

Restaurantes

Há quem pense que não se devem partilhar os bons restaurantes para na próxima ida não estarem cheios. Eu não penso assim. Em cima o restaurante do Mercado de Picoas, 1ºandar, onde comi umas excelentes ovas, e o de baixo, o restaurante chinês na rua Pascoal de Melo, onde a comunidade chinesa marca sempre presença. Mais dois desenhos que vieram no jornal Público, suplemento Fugas, no último dia do ano passado.


terça-feira, Janeiro 10, 2012

Mercado de Picoas

Estive indeciso entre estes dois desenhos da mesma banca e com a mesma senhora. Acabei por enviar o segundo que saiu em meia página.

segunda-feira, Janeiro 09, 2012

Alpes

Da janela via-se tudo coberto de neve. Dentro de casa o Rock e a sua amiga Mafalda dormitavam.


sexta-feira, Janeiro 06, 2012

Aeroportos

No aeroporto de Madrid, em transito de Genebra para Lisboa.

quarta-feira, Janeiro 04, 2012

Fugas

No jornal Público, suplemento Fugas, do último sábado, secção Gastronomia, uma reportagem da Alexandra Prado Coelho sobre o livro “Lisboa à Mesa” (ed. Planeta) de Miguel Pires. Um roteiro de restaurantes e afins alternativo. Em baixo dois dos desenhos que não foram publicados. Mas foram-no os outros cinco.

Martim Moniz

Esplanada da Fundação Gulbenkian